Resenha/estudo: Sob o sol, sob a Lua

78894d9159ed

SOB O SOL, SOB A LUA

Autora: Cynthia Cruttenden

O ponte forte desse livro é o trabalho com as imagens que ajudam a construir a narrativa sobre a oposição entre o dia e a noite. Todo feito em duas cores: amarelo e azul marinho, representando a claridade do dia e a escuridão da noite.

Estes opostos são também criados pelas ilustrações que apresentam uma cobra em azul marinho, sempre num fundo amarelo, ama o sol, o lobo em amarelo, num fundo azul marinho, ama a lua.

Um dia, num momento em que o sol cai e a lua sobe, lobo e cobra se encontram e travam uma luta. Esta luta é constituída pelas imagens. Os dois animais se misturam. Porém lua e sol param, lobo e cobra adormecem e sonham.

O sonho  é o lobo e a cobra no céu. Por meio das imagens percebe-se a integração destes dois seres que ao estarem unidos lembram um eclipse lunar.O que era oposição e luta entre os dois animais e os astros torna-se uma total unidade.

As ilustrações são feitas por meios de carimbos que criam texturas sugerindo o pêlo de um lobo e as escamas de uma cobra.

Fonte de pesquisa: Bibliografia brasileira de literatura infantil e juvenil.

Anúncios

tumblr_m00676gioP1qmo224o1_500

Evite o uso didático: o objetivo de um texto de literatura infantil não é ensinar nem dar lições de moral. A própria trama da história serve como testemunho, e não as considerações acrescentadas pelo “educador”.

Para criticar o sistema educacional de sua época, o escritor inglês Lewis Carrol lançava mão da sátira, dotando com algumas características típicas os personagens que acompanhavam a menina Alice – A Lagarta que formula perguntas sem respostas e a Rainha Vermelha que submete Alice a exames infernais são os professores, bem omo Humpty Dumpty, que distorce as palavras sempre em seu próprio benefício.

DICA: Provoque a criança a buscar suas próprias respostas

Confira alguns vídeos bacanas sobre o assunto: