Resenha/estudo: Sob o sol, sob a Lua

78894d9159ed

SOB O SOL, SOB A LUA

Autora: Cynthia Cruttenden

O ponte forte desse livro é o trabalho com as imagens que ajudam a construir a narrativa sobre a oposição entre o dia e a noite. Todo feito em duas cores: amarelo e azul marinho, representando a claridade do dia e a escuridão da noite.

Estes opostos são também criados pelas ilustrações que apresentam uma cobra em azul marinho, sempre num fundo amarelo, ama o sol, o lobo em amarelo, num fundo azul marinho, ama a lua.

Um dia, num momento em que o sol cai e a lua sobe, lobo e cobra se encontram e travam uma luta. Esta luta é constituída pelas imagens. Os dois animais se misturam. Porém lua e sol param, lobo e cobra adormecem e sonham.

O sonho  é o lobo e a cobra no céu. Por meio das imagens percebe-se a integração destes dois seres que ao estarem unidos lembram um eclipse lunar.O que era oposição e luta entre os dois animais e os astros torna-se uma total unidade.

As ilustrações são feitas por meios de carimbos que criam texturas sugerindo o pêlo de um lobo e as escamas de uma cobra.

Fonte de pesquisa: Bibliografia brasileira de literatura infantil e juvenil.

Anúncios

Linha do maravilhoso

4840991607_3fa9a0a644

Trabalhar nessa linha significa criar situações que ocorram fora do nosso espaço/tempo conhecido ou em local vago ou indeterminado na terra.

O mundo do maravilhoso pode se apresentar sob diferentes aspectos:

  • Metafórico
  • Satírico
  • Científico
  • Popular ou folclórico
  • Fabular

Maravilhoso metafórico (ou simbólico) – Narrativas cuja efabulação atrai por si mesma, isto é, pelo referencial, pela história que transmite ao leitor, mas cuja significação essencial só é apreendida quando o nível metafórico de sua linguagem narrativa for percebido ou decodificado pelo leitor.

Livros referências: O Azulão e o Sol de Walmir Ayala, Estória da Borboleta de Marina Sendacz, O menino que veio do mar e o país das coisas bonitas de Luiz Paiva de castro.

Maravilhoso satírico – Narrativas que utilizam elementos literários do passado ou situações familiares, facilmente reconhecíveis, para denunciá-las como erradas, superadas… e transformá-las em algo ridículo. O humor é o fator básico desta diretriz.

Livros referências: O Rei que não sabia de nada de Ruth Rocha, Chapeuzinho amarelo de Chico Buarque,  A fada que tinha ideias de Fernanda Lopes de Almeida, O fantástico mistério de feiurinha de Pedro Bandeira.

Maravilhoso científico – Narrativas que se passam fora do nosso espaço/tempo conhecidos, ou seja, onde ocorrem fenômenos não explicáveis pelo conhecimento racional.

Livros referências: A vida é fantástica de Lúcia Machado de Almeida, O planeta do amor eterno de Maria de Registro, Acordar ou Morrer de Stella Carr.

Maravilhoso popular ou folclórico: contos, lendas e mitos  Narrativas que exploram nossa herança folclórica européia e nossas origens indígenas ou africanas.

Livros referências: Apenas um curumim de Werner Zotz, O velho, o menino e o burro de Ruth Rocha, História de jabuti sabido com macaco metido de Ana Maria machado.

Maravilhoso Fabular – Situações vividas por personagens-animais, que podem ter sentido simbólico, satírico ou puramente lúdico.

Livros referências: Angélica e os Colegas e Lygia Bojunga Nunes, O caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado (Tenho carinho extremo por esse livro, ele foi o primeiro livro sem gravuras que li aos 7 anos), O burrinho que queria ser gente de Herbeto Sales.

Fonte de pesquisa Literatura Infantil – Teoria, análise e didática de Nelly Novaes Coelho.

464486_pole_dom_noch_pejzazh_1920x1200_(www.GdeFon.ru)

Mais um caso é um pequeno texto escrito durante um exercício de criação de contos.

MAIS UM CASO ou 30 anos de alma

Gostava do vento batendo nos cabelos, gostava do sorriso da irmã quando brincavam de esconde-esconde, gostava de imaginar que era uma caçadora de tesouros perdidos. Entretanto o que mais amava era seu pai.

Tinha fascínio pela figura alta, delgada e sábia que emanava naquele homem. Diferente de todas as garotas de sua idade, ela o seguia por toda parte. Seus pequenos passos eram numerosos e apressados ao acompanhar o pai pela lavoura.

Com apenas 6 anos tinha o conhecimento para avaliar se a terra era boa ou não para plantar alguma coisa.

– Pega isto para mim filha?

E pegava, mesmo sendo graveto, gravetinho ou gravetão.

A casa era nova para sua família, mas velha de anos. A madeira exalava um odor fétido quando chovia, sorte deles que era verão.

Para os pais, o lugar era uma marco, um inicio, um recomeço pós tragédias que preferiam esquecer. Lembrar doía na alma e no coração.

Aquela era uma noite de terça feira incomum, e ela tinha olhinhos atentos pois a situação era de medo e angustia. Tinha dificuldades em respirar e engolia o choro que teimava com ela. Mesmo assim era atenta a qualquer movimento do pai e viu quando ele saiu de casa sob as pontas dos pés, viu quando ele prendera a respiração ganhando coragem ao cruzar o quintal e pular  estrategicamente a cerca de arame.

Precisavam de água. Era fato.

Ela estava com muita sede mas seus seis anos completos de corpo e pelo menos 30 anos de alma não deixava transparecer para sua mãe que chorava com sua inquieta irmã nos braços, balançando de um lado para o outro.

O pai por sua vez engolia saliva para amenizar, a visão embaçada e o suor caindo, ora por nervoso, ora por calor.

“Precisamos de água” – Era o que repetia para si o tempo todo já convencido de que o poço artesiano do seu bruto e ignorante vizinho de fronteira era a melhor chance que tinham na região. Ou arriscava ou morriam de sede.

E tudo que se sucedeu aconteceu muito rápido.Enquanto enchia o balde  não notou aqueles homens sem sorriso na boca com grandes armas vindo em sua direção, só ouviu o grito de longe de sua filha:

– PAIIIIIIIIIIIIII – Gritou estridentemente

E o pai, esquecendo a água passou a correr.

– Pelo amor de Deus, só queremos água. – gritou a mãe desesperada. – Corre, pelo amor de Deus, corre.

As crianças choravam, a mãe chorava e o pai corria ofegante.

– Pelo amor de Deus é só água, é só água….

Um cachorro surgiu da escuridão, seus olhos vidraram na pequenina que apreensiva preparava-se para ir atrás do pai, mas sua mãe foi mais rápida e em um relance deixou a menor na cadeira da varanda, pegou a enxada e bateu no cão que ferido recuou, e com um intuito protetor característico de todas as mães, feri-o mais ainda fincando a enxada em seu rabo, partindo-o.

Os homens aspiravam raia partindo para vingar o ato, foi então que o pai chamou a atenção após uma pedra muito bem lançada na cabeça de um dos homens. Feito isso correu para o milharal.

E a criança que amava o pai, idolatrava seus passos foi-se atrás. Correu, correu. Enfrentando o frio, o vento, o chão empedrado que machucava seus pezinhos. Naquela noite não tinha medo de cobra, do escuro nem bicho papão.

Só queria seu pai.


NOTA: Era para ter escrito um conto infantil durante o exercício. Mas como foi um exercício em dupla, minha parceira acabou me contando um trecho da infância dela dando-me inspiração para criar algo baseado em fatos reais.